Archive for Julho, 2008

h1

Fotografia Criativa (II) | Creative Photography (II)

15 Julho, 2008

Outro tipo de fotografia criativa é a que se consegue através da fotomontagem. Citemos dois casos actuais. O primeiro é o de um mágico da fotografia a preto e branco. De seu nome Jerry Uelsmann nasceu em Detroit, nos E.U.A., em 1934. Já realizou mais de 100 exposições individuais e muitas das suas fotografias fazem parte das colecções permanentes de diversos museus. O seu trabalho revela um permanente desafio à nossa realidade. Não é deste mundo.Quem não estiver avisado fica boquiaberto com as suas fotomontagens e procura incessantemente (sem sucesso, diga-se) encontrar as zonas de ligação das diversas fotografias ou identificar o que é de uma e o que é de outra. Para quem quiser saber mais aconselho a leitura de dois dos seus livros. Um é “Uelsmann: Process and Perception” de 1985. O outro é “Photo Synthesis” de 1992. Ambos foram editados pela University Presses of Florida.

O segundo caso, este já fora dos limites da fotografia,é o do artista japonês Satoshi Matsuyama que em poucos anos construiu uma carreira fulgurante. Os seus trabalhos finais, exclusivamente a cores e de grandes dimensões, chegam a incorporar mais de 300 fotografias. Acreditem, não há nenhum zero a mais, são trezentas. E é por este exagero que quis mencionar o seu trabalho. Mas há mais. Não satisfeito com as várias centenas de fotografias ainda lhes acrescenta pintura digital. Comercialmente parece que o trabalho é compensador. Mas, obviamente, deixa de ser fotografia. É mais arte tendo como base a fotografia.

Embora reconheça grande criatividade à fotomontagem de fotografias não é ela que acolhe as minhas preferências. Gosto de fotografias criativas menos elaboradas e aqui Ernst Haas é ainda imbatível. É um fotógrafo maldito ou, melhor dizendo, amaldiçoado. Um recente livro da Taschen com o título “Photo Icons” (1827-1991) inclui obras de alguns fotógrafos ainda vivos entre os quais Gerard Malanga (conhecem?), Sandy Skoglund (conhecem?) e Sebastião Salgado.

De um já falecido, mas que teve a honra de ser o primeiro a ter uma exposição individual a cores no Museu de Arte Moderna de Nova York, nem uma palavra, nem uma imagem. Eu chamo a isto falta de honestidade intelectual e cultural. É certo que a sua notoriedade foi alcançada na fotografia a cores e os seus últimos trabalhos foram experiências fotográficas com as formas e com a luz abstracta. Por estes factos talvez seja afastado da galeria dos que fotografam as desgraças e dos que só fotografam os notáveis e que por isso também ficam notáveis.

Para mim é um dos maiores. Uma das suas últimas fotografias, que conheço, tem o título “Ranunculus”. Foi realizada em 1984 nos New York Botanical Gardens. O tema floral foi uma das suas ultimas escolhas. Como modesta homenagem à sua memória dedico-lhe estas quatro fotografias.

1 – LAÇOS DE PAIXÃO

2 – PINCELADAS

3 – GEOMETRIAS

4 – ERVA COM SOMBRA DE DÚVIDA

Ele tinha razão ao afirmar: “There is only you and your camera. The limitations in your photography are in yourself, for what we see is what we are”.

(Continua)

Sítios a consultar

Jerry Uelsmann

Satoshi Matsuyama

Ernst Haas (sítio oficial)

Ernst Haas

Anúncios
%d bloggers like this: