Archive for Janeiro, 2011

h1

Moçambique III | Mozambique III

15 Janeiro, 2011

Em Moçambique I foi incluída a imagem de uma festa celebrada na Ilha de Moçambique na recepção ao então Governador da  ex-colónia. Nessa imagem de finais da década de 60 do século passado ressaltam as figuras dos chefes da igreja maometana sob uma grande faixa branca com os seguintes dizeres: “CONFRARIAS  MAHÓMETANAS  (NATIVAS) DA CIDADE DE MOÇAMBIQUE”.

Decorridos mais de quarenta anos sobre o evento estava eu longe de imaginar que ele viria a ser recordado com alegria por um dos habitantes dessa maravilhosa Ilha. Um dos chefes religiosos, o que está com uma cabaia preta, é o Sheik Abdurrazaque Jamú, figura imponente e de grande prestígio na região. Eu fui contactado pelo seu filho Haziz Jamú que ficou muito emocionado ao ver a imagem do seu falecido pai.

Como o prometido é devido aqui vai encontrar Sr. Jamú mais duas imagens do evento festivo em que numa delas o seu pai surge em pleno destaque. Poderia dar-lhe mais alegrias se o espólio fotográfico da minha permanência em Moçambique não tivesse sido quase totalmente destruído por um incêndio. Por isso é com muito gosto que divulgo estas “Relíquias”.

Até sempre.

 

 

Anúncios
h1

Graciphoto nº 10

10 Janeiro, 2011

 

h1

Cabo Verde I | Cape Verde I

1 Janeiro, 2011

Neste último Verão visitei três ilhas de Cabo Verde : S. Antão, S. Vicente e Santiago. Na primeira ilha estive um dia, na última uns quatro e em S. Vicente cerca de dez dias.

Nunca tinha estado nesta jovem Republica e ex-colónia portuguesa. Recentemente um orgão internacional disse que no contexto africano é uma das mais bem governadas. Apesar disso notei que é um país pobre e com elevado desemprego. A emigração foi sempre um escape para esta situação.

Antes que me esqueça quero salientar a boa impressão que me causou a população. Dum modo geral vive em habitações modestas mas as pessoas são simpáticas e afáveis. Sente-se que são felizes e isto muitas vezes não acontece nos chamados países ricos. Um grande problema, um autêntico flagelo, é o da falta de água.

O terreno de origem vulcânica oferece grandes dificuldades à actividade agrícola.Quando vi numa encosta um grupo de pessoas e me disseram que estavam a semear milho eu nem queria acreditar.
Para o efeito escavam pequenas covas entre as pedras onde as sementes do milho são depositadas manualmente.  Isto só é feito quando se prevê que vai começar a época das chuvas.

Iremos apresentar várias edições sobre Cabo Verde abordando, entre outros, os seguintes temas: população, água e energia, arquitectura / construções, fauna e flora, paisagens e murais do Mindelo.

Parti para lá na esperança de visitar o ilheu Raso onde habita a rara e célebre Calhandra-do-Ilheu-Raso (Alauda razae). Mas a ocasião não era a mais propícia e a deslocação iria perturbar o plano de viagem de outras pessoas. Em compensação tive a oportunidade de assistir a alguns espectáculos, públicos e privados, de música tradicional. É sabido que o Fado está para Portugal como a Morna está para Cabo Verde. Aqui deixo, através daquilo a que chamam fotografia de autor, uma imagem que pretende simbolizar “A Morna”, neste caso um grupo de guitarras e cavaquinho.

Nota: Esta imagem podia ser incluída na secção designada por Graciphoto a qual, neste trimestre, será pela primeira vez preenchida com três imagens a preto e branco.

%d bloggers like this: