h1

Orquídeas | Orchids – Orchis langei & Epipactis sp.

15 Maio, 2012

Em anos relativamente recentes a Orchis langei foi considerada uma raridade no nosso país. A situação era devida a erros de identificação. Esta orquídea faz parte do grupo da Orchis mascula e era confundida com a Orchis laxiflora. Segundo Daniel Tyteca o equívoco é justificável, porque a O. langei é também conhecida por O. mascula subsp. laxifloraeformis.

Para outros botânicos ela é a Orchis hispanica, porque a sua principal área de distribuição é a Espanha continental. Mas vai até um pouco mais a Norte tendo como limite setentrional o centro e leste dos Pirineus no Sul de França e um pouco mais a Sul com o seu limite meridional na cordilheira do Atlas marroquino. A Oeste estende-se para Portugal ao longo de uma faixa mais ou menos fronteiriça que de início só abrangia as províncias do Alto Alentejo, Beira Baixa e Trás-os-Montes. Em meados da década de 90 do século passado Tyteca refere a sua presença no Ribatejo, no concelho de Abrantes e em Casais Monizes no PNSAC ou nas suas imediações. Esta talvez seja a sua localização mais ocidental no território nacional. Talvez por serem pequenas populações e sem confirmação em datas posteriores o Real Jardín Botânico, CSIC no seu Vol. XXI da Flora Ibérica de 2005 ainda coloca sob reserva a presença da O. langei no Ribatejo. Mas pode retirar a restrição porque está confirmada a sua presença no concelho de Constância, tanto em Constância Norte como em Constância Sul ou seja a Sul e a Norte do rio Tejo. As próximas imagens foram captadas entre 13 e 18 Abril de 2011 nas imediações do Parque Ambiental de Santa Margarida (PASM) por amável indicação do meu amigo Tiago Lopes, responsável pela sua gestão. Para ele um forte abraço com os meus agradecimentos.

Orchis langei

Orchis langei

À semelhança do Limodorum abortivum a O. langei é considerada uma orquídea “Rara de baixo risco” (LR-lower Risk) e “Quase ameaçada” (nt-near threatened). A característica externa distintiva é a do labelo fortemente convexo, que faz lembrar uma joelheira vista de perfil, com a parte central esbranquiçada e com ou sem manchas violáceas. Os dois lóbulos laterais são de cor rosa e mais estreitos e curtos que o lóbulo central.

O seu período normal de floração ocorre entre Março e Julho em solos ácidos e secos,quase sempre sombrios, e dispersa entre matos pouco densos.

Orchis langei

As imagens da orquídea do género Epipactis foram captadas na freguesia de Tramagal, do concelho de Abrantes, a escassos metros das do Limodorum abortivum apresentadas em 1 de Março de 2012. Um só pé cuja identificação não é fácil e me coloca algumas dúvidas.

Analisei com cuidado as excelentes fotografias do livro Flora Ibérica acima referido, comparei-as com as minhas, e concluí que em princípio não se trata da Epipactis helleborine, porque as folhas são muito diferentes. Acredito ter fotografado flores da Epipactis tremolsii, mas como não tenho a certeza prefiro ficar-me pelo género.

Epipactis
sp

Epipactis
sp

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: