Archive for Janeiro, 2013

h1

A Água e a Luz IV | The Water and the Light IV

15 Janeiro, 2013

A última edição deste tema ocorreu em 15 de Novembro de 2011 e as imagens foram captadas em praias do Sul de Portugal.

Reparem nas quatro imagens desta edição. Nas duas últimas predomina a cor azul. Porque será?

Se a água tem uma superfície e uma profundidade para formar um espelho ela terá de reproduzir o que tem à sua frente. Neste caso o azul do céu. Nas duas primeiras as cores são totalmente diferentes devido à presença, num caso de construções e no outro de água sem profundidade e com forte corrente.

Já por diversas vezes manifestei o grande prazer que sinto em identificar e captar estas imagens. São verdadeiras obras de arte que nos são oferecidas por uma artista de excepção,a mãe natureza. Como é óbvio há dois elementos essenciais na sua génese, a água e a luz. Ao fotógrafo compete escolher o local, a hora e o ponto de vista que materialize a sua sensibilidade artística. O que já não é pouco.

Reflexos

Reflexos

Reflexos

Reflexos

Reflexos

Reflexos

Reflexos

Reflexos

Anúncios
h1

Graciphoto 34 – P&B | B&W

10 Janeiro, 2013

 

13.01.10 Graciphoto 34PB

h1

Borboleta Diurna I / Butterfly I – Brintesia circe

1 Janeiro, 2013

 

A borboleta diurna Brintesia circe pertence à família Nymphalidae e à subfamília Satyrinae. Alguns estudiosos preferem colocá-la no género Kanetisa sendo portanto a Kanetisa circe.Enredos da taxonomia.
Vulgarmente é conhecida entre os ingleses por Great Banded Grayling,para os espanhois é o Rey Mozo e os franceses chamam-lhe Le Silène.Alguém sabe o seu nome em português? Há em cada ano uma geração que voa de Junho a finais de Setembro entre os 400 e os 1600 metros de altitude. A fêmea é maior que o macho. Nos voos após o acasalamento ela deixa cair os ovos entre a vegetação. As respectivas lagartas têm actividade nocturna e alimentam-se de diversas gramíneas.

 

Brintesia circe

Brintesia circe

Já conhecia esta espécie por tê-la fotografado no Alvão e na Serra da Estrela. O Atlas de 2004 da Sociedad Entomológica Aragoneza indica que o insecto prefere as zonas do interior da metade Norte da Península Ibérica sendo escassa na metade Sul. Para Portugal há uma referência isolada a Sudeste de Santiago do Cacém (Silva Cruz e Gonçalves,1974). E além de uns registos na fronteira por alturas da Serra de São Mamede todo o restante Alentejo (Alto e Baixo),o Ribatejo e o Algarve estão completamente em branco. Vamos acabar com este deserto no Ribatejo. Fiz um registo fotográfico na freguesia de Tramagal do concelho de Abrantes em Junho de 2009. E em 2012 tenho várias observações, também em Junho, na zona do Carvalhoso (UTM: ND645593), perto da povoação Bicas do concelho de Abrantes,  e na própria freguesia de Tramagal (UTM: ND 644672). As três imagens aqui expostas foram captadas nesta vila.

Brintesia circe

Brintesia circe

Brintesia circe

Brintesia circe

A 17 de Setembro de 2012 voltei a ver, também em Tramagal, mais um exemplar desta borboleta o que de certo modo confirma o seu período de voo.

 

 

%d bloggers like this: